quarta-feira, 16 de julho de 2008

Fé e razão, por Paul Tillich

Uma das grandes fraquezas de grande parte dos escritores teológicos e do discurso religioso é que a palavra "razão" é usada de forma inconsistente e vaga. Às vezes é apreciativa, mas, em geral, é depreciativa. Enquanto que a conversa popular pode ser desculpada por esta imprecisão (embora ela contenha perigos religiosos), é indesculpável se um teólogo usa termos sem tê-los definido ou circunscrito. Portanto, é necessário definir já desde o início o sentido no qual o termo "razão" vai ser usado.

Podemos distinguir entre um conceito ontológico e um conceito técnico de razão. O primeiro é predominante na tradição clássica desde Parmênides até Hegel. O segundo, embora sempre presente no pensamento pré-filosófico e filosófico, se tornou predominante desde o colapso do idealismo alemão clássico, e no surgimento do empirismo inglês. Conforme a tradição filosófica clássica, a razão é a estrutura da mente que a capacita a abarcar e transformar a realidade. Ela é efetiva nas funções cognitiva, estética, prática e técnica da mente humana. Até a própria vida emocional, em si mesma não é irracional. O Eros impulsiona a mente rumo ao verdadeiro (Platão). O amor pela forma perfeita move todas as coisas (Aristóteles). Na "apatia" da alma o logos manifesta sua presença (estóicos). O anelo por sua origem eleva a alma e a mente rumo à fonte inefável de todo sentido (Plotino). O "appetitus" de tudo que é finito o conduz ao bem-em-si. (Tomás de Aquino). "Amor intelectual" une intelecto e emoção no estado mais racional da mente (Spinoza) Filosofia é "serviço de Deus"; é um pensar que é ao mesmo tempo vida e alegria na "verdade absoluta" (Hegel), etc. A razão clássica é Logos, seja ela entendida de forma mais intuitiva ou mais crítica. Sua natureza cognitiva é um elemento entre outros. Ela é cognitiva e estética, teórica e prática, distanciada e aproximada, subjetiva e objetiva. A negação da razão em sentido clássico é anti-humana, por que é antidivina.

Mas este conceito ontológico de razão sempre é acompanhado e às vezes substituído pelo conceito técnico de razão. A razão é reduzida à capacidade de "raciocinar". Só o lado cognitivo do conceito clássico de razão permanece, e dentro do reino cognitivo só aqueles atos cognitivos que tratam de meios para fins. Enquanto que a razão em sentido de Logos determina os fins e só em segundo lugar os meios, razão em sentido técnico determina os meios ao mesmo tempo em que aceita os fins a partir de "outros lugares". Não há perigo nesta situação enquano a razão técnica estiver acompanhando a razão ontológica e o "raciocinar" for usado para satisfazer as exigências da razão. Esta situação predominou na maior parte dos períodos pré-filosóficos, bem como filosóficos da história humana, embora sempre houvesse a ameaça de que o "raciocinar" se pudesse separar da razão. Desde a metade do século dezenove esta ameaça se tornou uma realidade dominante. A consequência é que os meios são supridos de forças não-racionais, seja por tradições positivas ou por decisões arbitrárias servindo à vontade de poder. A razão crítica cessou de exercer sua função controladora sobre normas e fins. Ao mesmo tempo os aspectos não-cognitivos da razão foram relegados à irrelevância da pura subjetividade. Em algumas formas de positivismo lógico o filósofo rejeita até mesmo "compreender" qualquer coisa que transceda a razão técnica, tornando assim sua filosofia completamente irrelevante para questões de preocupação existencial. A razão técnica, não obstante ser competente em aspectos lógicos e metodológicos, desumaniza o homem quando está separada da razão ontológica. E, além disso, a própria razão técnica se empobrece e corrompe quando não se nutre continuamente da razão ontológica. Mesmo na estrutura meios/fins do "raciocinar" pressupõem-se afirmativas sobre a natureza das coisas que em si mesmas não se baseiam na razão técnica. Nem estruturas, processos, Gestalt, valores, nem sentidos podem ser compreendidos sem a razão ontológica. A razão técnica pode reduzí-los a este status, ela se preva a si mesma dos "insights" que são decisivos para a relação meios/fins. Sem dúvida conhecemos muitos aspectos da natureza humana mediante a análise dos processos psicológicos e fisiológicos, e mediante o uso de elementos fornecidos por essa análise para fins fisicotécnicos e psicotécnicos. Mas se reivindicarmos conhecer o homem desta maneira, perdemos não só a natureza humana, mas até mesmo verdades decisivas sobre o homem dentro da relação meios/fins. Isto vale para todo reino da realidade. A razão técnica sempre teve uma função importante, mesmo na teologia sistemática. Mas a razão técnica é adequada e significativa só como expressão da razão ontológica e como sua companheira. A teologia não necessita tomar uma decisão a favor ou contra um destes dois conceitos de razão. Ela usa os métodos da razão técnica, a relação meios/fins, ao estabelecer um organismo de pensamento consistente, lógico e corretamente derivado. Ela aceita os refinamentos dos métodos cognitivos aplicados pela razão técnica. Mas rejeita a confusão entre razão técnica e ontológica.

Por exemplo, a teologia não pode aceitar o auxílio da razão no "raciocinar" a existência de Deus. Tal Deus pertenceria à relação meios/fins. Ele seria menos do que um Deus. Por outro lado, a teologia não fica perturbada pelos ataques à mensagem cristã feitos pela razão técnica. Esses ataques não atingem o nível no qual se firma a religião. Eles podem destruir superstições, mas nem mesmo atingem a fé. A teologia é (ou deveria ser) grata pela função crítica do tipo da razão técnica que mostra que não existe "algo" como um Deus dentro do contexto das relações meios/fins. Objetos religiosos, vistos em termos do universo do discurso constituído pela razão técnica, são objetos de superstição, sujeitos à crítica destrutiva. Onde quer que domine a razão técnica, a religião é superstição e é ou mantida estupidamente pela razão, ou rejeitada corretamente por ela. -

(TILLICH, Paul. Teologia Sistemática. Ed. Sinodal, 2005, pp. 68/69)

2 comentários:

  1. OLÁ MEU IRMÃO EM CRISTO JESUS HELIO! QUEM FALA E O LUCAS. TUDO BOM, COMO VAIS? PAZ DE CRISTO NESTE ANO QUE INICIA MEU IRMAO. SABE COMO EU GOSTO DE ACORDAR CEDO, LIGAR MEU SOM NO MICHAEL JACKSON E FAZER UM BOM CAFE E SENTAR COM A BIBLIA E MEU PC LIGADO AQUI NO BLOG. 7 HORAS JA ESTOU DE PÉ COM O SOL!!! POIS E MEU IRMAO, SEMPRE ESTAMOS A TEOLOGAR NAO E MESMO? VAMOS VER QUE A FÉ E A RAZAO NO FUNDO, NO FUNDO ELAS PODEM ATE TRAVAR UMAGRANDE BATALHA, MAS AMBOS SE COMPLEMENTAM. REPARE NO GRANDE CIENTISTA ISAAC NEWTON O QUE ELE FALOU: ISAAC NEWTON FOI TEOLOGO E ACREDITAVA QUE O MUNDO NAO TERMINARIA ANTES DE 2060, POIS JUNTOU ASPECTOS CIENTIFICOS COM BIBLICO. OLHA AS FRASES DELE: - O que sabemos é uma gota; o que ignoramos é um oceano.
    - A gravidade explica os movimentos dos planetas, mas não pode explicar quem colocou os planetas em movimento. Deus governa todas as coisas e sabe tudo que é ou que pode ser feito.
    - A maravilhosa disposição e harmonia do universo só pode ter tido origem segundo o plano de um Ser que tudo sabe e tudo pode. Isso fica sendo a minha última e mais elevada descoberta.

    O tempo é uma ilusão produzida pelos nossos estados de consciência na medida em que caminhamos através da duração eterna.

    QUE DEUS TE ABENÇOE MEU IRMAO EM CRISTO. PAZ E LUZ.


    FONTE BRASIL WIKI.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lucas!

    Eu acordo bem cedo também, geralmente às 6 da manhã, e enquanto faço o café solto os dois cachorros pra brincarem. Depois do café pronto vou à padaria comprar os pães e assim o dia já começa feliz, na graça de Deus. Rapaz.... 2060? acho que já estarei na eternidade... kkk... eu estaria com 97 anos então... hehehe.... você chegará lá, e espero que chegue muito feliz por todas as bênçãos do Senhor.

    Abração!

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails