quarta-feira, 20 de abril de 2011

Retrato de um viciado quando jovem

"Retrato de um Viciado quando Jovem" (Companhia das Letras, 2011, 215 págs.) é um livro que se pode chamar de "barra-pesada". 

É o relato autobiográfico da descida ao inferno do crack, caminho percorrido pelo autor, Bill Clegg, um bem sucedido agente literário de Nova York que abandona a carreira e os relacionamentos para dedicar-se exclusivamente ao consumo desenfreado da droga. 

A temática não é nova - dezenas de livros já foram escritos sobre o mesmo assunto -, mas há algumas diferenças que é importante ressaltar. 

Primeiramente, o livro é muito bem escrito, pelo que se percebe que Bill Clegg não fez sucesso como agente literário à toa. 

A construção da narrativa é muito boa, as formas verbais são bem colocadas, e o uso frequente do futuro não se torna excessivo nem irritante. Desempenham sempre uma função no texto, e as idas e vindas do tempo do narrador dão liga à história e tornam a leitura ágil e - apesar do tema árido - agradável. 

É nessa mescla de passado, presente e futuro que o autor se expõe de maneira escancarada, revelando seu trauma bizarro de infância (não conseguia urinar sem um ritual espasmódico em que geralmente se molhava todo) e seus problemas de relacionamento com a família, em especial seu pai. 

De certa forma, a figura paterna permeia toda a narrativa que, uma vez terminada, deixa a sensação de que há segredos ainda inconfessados, mas que podem ser escavados nas entrelinhas do livro. 

Chama a atenção também o fato de que, desta vez, não se trata de uma pessoa pobre, à margem da sociedade, que se deixa levar pelo vício, mas de um jovem profissional brilhante, reconhecido pelos seus pares, com dinheiro no banco e uma carreira promissora. 

Enquanto o saldo bancário não se esvai, Bill Clegg dá vazão à sua espiral descendente autodestrutiva, em meio a encontros nem tão furtivos com traficantes e garotos de programa (o mais presente, curiosamente, é brasileiro), além do apoio do seu então namorado, Noah, que apesar do término do relacionamento, se revela uma pessoa que jamais o abandonou enquanto ele precisava de socorro. 

Aí sobressai outro mérito do livro, que não apela nem se detém na homossexualidade (ou bissexualidade tardia) do autor, mas a coloca como um retalho no pano de fundo soturno que serve de cenário à obra.

A melhor definição que Clegg dá de sua decadência é quando decide deixar sua agência literária e se entregar de corpo e alma ao crack (pp. 31-32):

Mas eu mesmo não sinto quase nada quando encerro nossa sociedade, nossa agência, minha carreira. Encaro esse nada da mesma forma como quando a gente observa um dedo logo após cortá-lo sem querer com a faca, segundos antes de o sangue brotar. Por um instante, é como estar olhando para o dedo de outra pessoa, como se o corte que você fez não houvesse aberto sua carne, como se o sangue prestes a jorrar não fosse o seu.

Uma imagem forte, portanto, que consegue prender o leitor e faz fluir de maneira rápida e interessante toda a narrativa seguinte, como se o sangue que está prestes a jorrar não fosse o de nossa sociedade desajustada, que convive com as drogas da maneira mais natural possível, como se fosse "normal" convivermos com a Cracolândia de São Paulo, por exemplo, como se tivéssemos que aceitar - silenciosos e conformados - esta sangria desatada dos desvalidos, provocada pelo tráfico que faz girar a roda da morte e centraliza os lucros em mãos convenientemente invisíveis. 

O jovem rico Bill Clegg transita nesses recantos sombrios de Nova York, hospedando-se em hotéis caros enquanto a sua aparência física e suas roupas ainda não denunciam sua condição de um viciado em estado terminal. 

Já no fim de sua turnê mórbida é que hotéis passam a rejeitá-lo, e talvez daí venha algum tipo de consciência que lhe dá forças para sua redenção final, não sem antes tentar o suicídio (surpreendentemente não consumado). "Retrato de um Viciado quando Jovem" é um vislumbre do mundo desconhecido do crack, com outros olhos que não o do noticiário policial e sensacionalista, e sobretudo com o talento observador e literário do autor, uma rara e boa surpresa que surge do (menos que) nada que se tornou sua vida. 

Leitura altamente recomendada para todos os que lidam com o problema e também para aqueles que nem imaginam o que se passa em nossas ruas ou com gente muito próxima, mas que querem estar preparados se e quando este monstro bater à sua porta.

Nota: Há um erro de revisão na pág. 32, imperdoável para uma editora do nível da Companhia das Letras: "Ela me olha e hesita um segundo antes de me dizer que há um Marriott há poucos minutos dali". O correto é "A poucos minutos dali".

Um comentário:

  1. Bela indicação amigo. Estuou precisando realmente ler mais livros. E esse entra de cara na minha lista. Muito obrigado. Belo post.

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails