terça-feira, 5 de abril de 2011

Mulher brasileira, teu nome é coragem!

Essa é daquelas notícias que dão um baita orgulho de ser brasileiro. Não um orgulho ufanista e xenófobo, mas um patriotismo de cidadão responsável. A atitude dessa mulher que presenciou a execução de um possível bandido pela PM num cemitério, e não titubeou em ligar para a própria PM para denunciar o fato, além de ter enfrentado com ousadia e cabeça erguida o soldado executor, é daqueles gestos que merecem estátua em praça pública, ainda que dificilmente venhamos a saber o nome ou ver a foto dela, dado que a corajosa mulher se encontra agora no programa de proteção a testemunhas. Ela estava visitando o túmulo do pai e viu a cena grotesca, e uma frase dela, com o perdão do trocadilho, é lapidar: "diz que já é normal fazer isso aqui; mas não é normal eu assistir isso". Revela como se tornou "normal" vermos policiais achacando, torturando e matando, ainda que a maior parte das diferentes corporações policiais seja formada por homens e mulheres corretos e honestos. Logo, o problema é de comando tanto da própria Polícia (em suas múltiplas divisões) como dos governos que a comandam. Pode ser "normal" para eles, mas para nós não. Eu sei que tem muita gente que gostaria de ver o bandido morto imediatamente, mas lembre-se que se deve proteger o suspeito porque ele pode ser o seu filho inocente que estava passando no lugar errado e na hora errada. A sua concordância tácita com o ilícito gera autoridades viciadas em matar e o seu silêncio termina por criar monstros pantagruélicos que podem se voltar adivinhe contra quem... A preservação da lei é garantia de democracia e de respeito ao estado de direito. Além disso, muitos policiais continuam agindo como se estivessem na época da ditadura e pudessem tudo, absolutamente tudo. Outro dia foram policiais que atiraram num garoto de 14 anos em Manaus (AM), e estavam sendo acobertados pela cúpula da PM local. Culpa nossa mesmo, que não sabemos eleger nossos representantes nem exigir que as leis sejam obedecidas, talvez porque sejamos os primeiros a descumpri-las. Ferraz de Vasconcelos, antes desprezada por ser uma cidade-dormitório das classes "C", "D" e "E" a serviço da endinheirada capital paulista, agora pode se orgulhar: há uma mulher destemida, uma cidadã brasileira Corajosa (com "C" maiúsculo), Digna (com "D maiúsculo) e Ética (com "E" maiúsculo), que deveria ter uma estátua em praça pública, não fossem as ameaças que agora sofre. A notícia é da Folha.com:


Mulher liga para 190 e denuncia PMs por assassinato; ouça

EVANDRO SPINELLI
DE SÃO PAULO


Uma moradora de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo, ligou para o telefone de emergência da Polícia Militar --190-- e informou presenciar um assassinato cometido por dois PMs dentro de um cemitério.

O crime ocorreu no último dia 12, um sábado. A vítima, Dileone Lacerda de Aquino, tinha passagens pela polícia e havia saído de uma prisão no interior em agosto de 2010.

A Corregedoria da PM informou na tarde desta segunda-feira que os policiais estão presos no presídio Militar Romão Gomes, respondem a inquérito por suspeita de homicídio e podem ser expulsos da corporação.

A mulher tem a identidade mantida sob sigilo e está sob proteção da própria PM.

DIÁLOGO

"Olha, eu estou no Cemitério das Palmeiras, em Ferraz de Vasconcelos, e a Polícia Militar acabou de entrar com uma viatura aqui dentro do cemitério, com uma pessoa dentro do carro, tirou essa pessoa do carro e deu um tiro. Eu estou aqui próximo à sepultura do meu pai", disse a mulher.

O policial que atende a ligação pede à mulher o prefixo do carro, diz que vai "fazer um alerta" e recomenda à testemunha que faça uma denúncia à Corregedoria da PM.

Durante a conversa, gravada pela PM, a mulher aborda um dos policiais e o questiona sobre a execução. O policial diz apenas que estava prestando um socorro.

"Ele falou que estava socorrendo. É mentira. É mentira, senhor. É mentira. Eu sei bem o que ele fez", diz a mulher ao atendente do 190.

Os policiais presos são Ailton Vital da Silva, 18 anos de Polícia Militar, e Felipe Daniel Silva, 5 anos de trabalho.

Viltal, segundo o tenente-coronel Roberto Fernandes, comandante da PM na zona leste da capital, já havia participado de três ocorrências de "resistência" --a pessoa abordada resiste à prisão e é morta pelos policiais. Felipe Daniel nunca havia participado de uma ocorrência desse tipo.

De acordo com o comandante, a investigação interna da PM deve ser concluída até o fim deste mês e a tendência é que os dois sejam expulsos da corporação.

Segundo Fernandes, os policiais disseram apenas que houve resistência e prestaram socorro à vítima, mas se negaram a prestar depoimento quando foram presos --só devem depor na Justiça.

O caso começou no Itaim Paulista, extremo leste de São Paulo, a cerca de 1 km do Cemitério das Palmeiras. Um carro de uma empresa de produtos de beleza foi roubado e, informados pelo rádio da polícia, Vital e Daniel fizeram a abordagem.

O assaltante teria entrado em um condomínio residencial, batido em dois carros e, durante a fuga a pé, atirado contra os policiais, que revidaram e o acertaram na perna.

Segundo o comandante, até aí o procedimento foi correto. Eles colocaram o assaltante no carro da polícia para levá-lo ao pronto-socorro.
Só que, no caminho, passaram pelo cemitério onde foram flagrados pela testemunha. "Talvez eles tenham acreditado que não tivesse ninguém. Mas num cemitério, num sábado à tarde, sempre tem alguém chorando por alguém", afirmou.

Fernandes disse que conversou com os dois policiais separadamente e que houve divergência de versões, por isso eles foram presos.

2 comentários:

  1. Fico orgulhoso em sar brasileiro. Acordei com o ar mais puro por causa dessa mulher. Já diria um lider do Greenpeace:" a menos que , partamos pra cima dos nossos objetivos e lutemos, não conseguiremos nada . Pois se formos esperar pelo governo de nossa pátria pra suprir as nossas necessidades , isso nunca ocorrerá."

    ResponderExcluir
  2. Olá Hélio, a notícia também me deixou muito feliz, mas, por outro lado, a comoção geral que provocou põe em evidência o fato de que é exceção aquilo que deveria ser uma atitude normal de cada um de nós. Espero que o exemplo ajude a difundir uma nova forma de comportamento diante atos de violência, injustiças e tantos outros que denigre a imagem da nação toda.

    Abraço,

    Janete

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails