sexta-feira, 29 de julho de 2011

Apresentador do SBT diz que presos evangélicos são falsos convertidos

O jornalista gaúcho Luiz Carlos Prates ficou conhecido nacionalmente no ano passado por suas polêmicas declarações na RBS/TV (afiliada da Globo) de Santa Catarina, de que "hoje qualquer miserável tem um carro". Tudo indica que a repercussão de sua fala tenha feito com que ele fosse defenestrado da RBS, e hoje Prates tem um programa no SBT/SC, onde agora disse que os presos evangélicos são "falsos convertidos", que "o camarada entra numa igreja, põe um livro debaixo do braço e sai convertido... mentira! isto é pra enganar a torcida", "porque na minha delegacia, entrou com (Bí)livro debaixo do braço, solta o livro... não vale nada, é mentira", conforme o vídeo abaixo.

A favor de Prates, registre-se que, efetivamente, muita gente se aproveita da condição de "evangélico" para se proteger, mostrar que tem bom comportamento, e ainda se valer da rede de proteção de outros evangélicos dentro e fora da cadeia, sem que, com isso tenha realmente se convertido a Cristo. É que ainda existe uma parcela da sociedade que acredita que o nome "evangélico" - por si só - representa um sinônimo de atestado de idoneidade ou de bons antecedentes, o que de fato era até décadas atrás, quando os evangélicos honravam o nome que carregavam e - principalmente - o Senhor a quem serviam. Hoje, entretanto, o nome "evangélico" tem um cunho muito mais ideológico, no sentido de representar um grupo que segue determinadas práticas e repete certos chavões ensinados por líderes de projeção nacional, especialmente quanto ao dinheiro e à prosperidade.

Por outro lado, o problema do discurso de Luiz Carlos Prates é a generalização fascistoide que não só o caracteriza, como também é aceita por uma porção significativa da população brasileira, não afeita à democracia e a convivência pacífica com os diferentes. Se é verdade que o meio penitenciário tem a má fama de "escola do crime" e que lá se encontram aproveitadores que abusam do nome "evangélico" para obter favores e privilégios pessoais, também há uma boa parcela de detentos que entra totalmente perdido no sistema carcerário e sai de lá com a vida transformada em todos os sentidos. Não conseguimos localizar estatísticas confiáveis, mas há quem diga que o percentual de reincidência criminal no Brasil chega a 80%, embora pareça mais seguro - diante da disparidade regional - imaginá-la entre 15 e 30% a nível nacional. As novas declarações genéricas e polêmicas de Luiz Carlos Prates nada fazem para mudar este quadro, apenas pertencem a um folclore pernicioso e de mau gosto da péssima televisão brasileira, que devem ser analisadas e combatidas para depois, como de costume, serem descartadas na vala comum das bobagens ditas em nome da demagogia.


Um comentário:

  1. Corroborando com o autor, ressalta a Professora e Advogada Criminal Daniela Portugal (Salvador-BA) que presencia constantemente a mudanca em todos os sentidos dos presos que se convertem em presídios e cujo numero de reincidência destes é ínfimo. O que não se pode, de fato, como bem se disse, é generalizar positiva ou negativamente.

    Pr. Leandro Dorneles

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails