segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Estavam uma alemã e um africano no refeitório da universidade...



Um artigo muito interessante de Rosa Montero, publicado no jornal espanhol El País de 17 de maio de 2005:
Estamos no refeitório estudantil de uma universidade alemã. Uma aluna loira e inequivocamente germânica compra a sua bandeja com o menu do dia no balcão de auto-atendimento e depois se senta em uma mesa. Então percebe que se esqueceu dos talheres e volta a se levantar para buscá-los. Ao regressar, descobre com espanto que um rapaz negro, provavelmente subsaariano por seu aspecto, está sentado no seu lugar e comendo de sua bandeja. De cara, a moça se sente desconcertada e agredida; mas em seguida corrige o seu pensamento e supõe que o africano não está acostumado com o significado da propriedade privada e da intimidade do europeu, ou ainda que talvez não disponha de dinheiro suficiente para pagar a comida, ainda mais sendo ela tão barata para o elevado padrão de vida de nossos ricos países. De modo que a moça decide se sentar de frente ao rapaz e lhe sorrir amistosamente. Ao que o africano responde com outro sorriso branco. A seguir, a alemã começa a comer da bandeja, tentando aparentar a maior normalidade e compartilhando-a com rara generosidade e cortesia com o rapaz negro. E assim, ele pega a salada, ela experimenta a sopa, ambos repartem paritariamente o mesmo prato de cozido até acabá-lo e um dá conta do iogurte e a outra da fruta. Tudo isso recheado de múltiplos sorrisos educados, tímidos por parte do rapaz, e suavemente alentadores e compreensivos por parte dela. Terminado o almoço, a alemã se levanta em busca de um café. E então descobre, na mesa vizinha logo atrás dela, o seu próprio casaco colocado sobre o encosto de uma cadeira, com uma bandeja de comida intacta.

Dedico esta história deliciosa, que - além disso - é autêntica, a todos aqueles espanhóis que, no fundo, receiam os imigrantes e os consideram indivíduos inferiores. A todas essas pessoas que, ainda que bem intencionadas, os observam com condescendência e paternalismo. Será melhor que nos livremos dos preconceitos ou corremos o risco de fazer o mesmo papel ridículo da pobre alemã, que se considerava o auge da civilização enquanto o africano, ele sim imensamente educado, a deixava comer de sua bandeja e talvez pensasse: "Como os europeus estão surtados".



2 comentários:

  1. Pena que que seja apenas um conto...

    Os franceses também deveriam lê-lo.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Mesma hitória do pacote de bolachas.

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails