domingo, 27 de março de 2011

Série da TV Brasil terá protagonista evangélica


É o que informa a Folha de S. Paulo na sua edição de hoje:

TV Brasil terá séries com personagens de classes C, D e E

"Natália", que estreia em maio, conta a história de menina virgem, evangélica e moradora do subúrbio

As produções foram escolhidas por edital que buscava "visão original" sobre jovens de estratos mais pobres

ROBERTO KAZ
DE SÃO PAULO

No dia 1º de maio estreia, na TV Brasil, "Natália", minissérie em 13 capítulos sobre uma jovem carioca descoberta pelo mundo da moda. Virgem, pobre, evangélica, mulata e noiva, Natália, a protagonista, mora em um bairro de subúrbio.

Não é um acaso. Com outras duas séries -"Brilhante Futebol Clube" e "Vida de Estagiário"-, a história foi escolhida entre 225 ideias apresentadas ao Ministério da Cultura, em 2008, no concurso de fomento a seriados para TVs públicas.

O edital apontava que "45 milhões de jovens estão nas classes C, D e E, imersos em realidades socioeconômicas desfavoráveis", e notava "a ausência de programação voltada para os temas" deles.

Por isso, o MinC, em parceria com a Empresa Brasil de Comunicação, que coordena a TV Brasil, anunciou a seleção "de minisséries que proponham uma visão original sobre a(s) juventude(s) brasileira(s) das classes C, D e E, desconstruindo os estereótipos". Cada projeto aprovado recebeu R$ 2,6 milhões. "Natália", o primeiro a ir ao ar, será transmitido semanalmente, às 22h30.

Mario Borgneth, coordenador-executivo do edital, conta que o concurso refletiu uma política do governo Lula, "focado em populações de baixa renda e áreas de vulnerabilidade social".

Ele diz que, hoje, a juventude das classes menos favorecidas só costuma aparecer na TV em filmes como "Notícias de uma Guerra Particular" e notícias de crime. "Qual foi a última vez que vimos um caso de amor entre um office boy e uma manicure na TV?", pergunta. "Isso surge, no máximo, em núcleos paralelos de novelas."

"Tem o "Hermes e Renato", na MTV, e "Malhação", na Globo, mas a última coisa nova nesse campo foi "Confissões de Adolescente", que mostrava o universo da classe média", aponta, esquecendo-se de mencionar "Turma do Gueto", da Record, que já em 2002 enfocava a vida de jovens da periferia.

Borgneth credita a lacuna ao fato de as emissoras verem o público como consumidores em potencial. "E não sei se existe mercado anunciante para um público jovem que não o da "Malhação" no horário da tarde", diz.

Mas ressalva: "Esses jovens que deixam de ver TV para ir a lan-houses estão dando um recado: "O que está aí não nos interessa'".

Um comentário:

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails