quarta-feira, 8 de junho de 2011

Já inventaram pílula para esquecer lembranças ruins

Tudo é ainda muito experimental e relacionado com experiências traumáticas, mas este avanço da medicina é daqueles que ainda vai dar muito que falar. Pode até acabar com aquela desculpa de "beber pra esquecer", mas também ajudaria a lidar com a culpa de traições e a "a-pagar" dívidas, além de aliviar a barra de quem não gosta da palavra (e do ato de) "arrependimento". Se a moda pega... Confira a matéria da MSNBC, traduzida por Bruno Calzavara e publicada no HypeScience:

Esqueça seus problemas: pílula pode apagar memórias ruins

Boa notícia para quem assistiu ao filme “Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças” e se identificou com o personagem que procurava uma forma de deletar memórias. O procedimento não é exatamente igual ao da ficção, mas quase.

Se você pudesse, tomaria uma pílula que apagasse suas memórias mais dolorosas?

Para a maioria de nós, seria difícil optar por perder peças do nosso passado, mas para quem possui problemas realmente sérios, como transtorno de estresse pós-traumático, a tal pílula pode trazer um grande alívio.

Em um estudo que se parece muito com uma cena do filme, os pesquisadores mostraram que a medicação pode realmente ajudar a apagar más lembranças.

Eles contaram com a presença de 33 estudantes universitários, que assistiram a uma apresentação de vídeo cuja história mostrava uma pequena menina sofrendo um terrível acidente durante sua visita à casa dos avós. Enquanto a menina e seu avô estavam construindo uma casa de passarinho, uma serra acabou cortando uma das mãos da menina. Uma das fotos mostradas aos voluntários do estudo é de sua mão mutilada.

Embora a mão da garota acabasse sendo salva no hospital e a história tivesse um final feliz, a apresentação é psicologicamente difícil de ser encarada porque tende a provocar nos espectadores sofrimentos emocionais, explica a autora do estudo, Marie-France Marin. “Não é divertido de assistir”, explica. “O vídeo é carregado de uma grandes emoções, complicadas de digerir”.

Antes do vídeo, Marin havia instruído seus voluntários a assistir com muito cuidado a apresentação. Depois, ela e seus colegas coletaram amostras de saliva para medir níveis do hormônio do estresse, o cortisol.

Três dias depois, os voluntários do estudo voltaram ao laboratório. Alguns deles haviam recebido um placebo, enquanto o resto havia ingerido uma de duas doses de uma droga que controla e limita a quantidade de cortisol circulando no corpo.

A teoria é de que o cortisol está de alguma forma envolvido na preservação de memórias, especialmente aquelas carregadas de emoção, explica Marin. Ao reduzir a quantidade de cortisol no organismo, os cientistas talvez sejam capazes de mexer com a memória – mesmo depois que ela já tenha sido criada e armazenada no cérebro.

Quando Marin pediu aos voluntários que tentassem se lembrar do vídeo de apresentação, aqueles que tinham recebido a droga para o controle do cortisol tiveram maior dificuldade para recordar os detalhes mais dolorosos. Quanto maior a dose, mais difícil se tornava a tarefa de recordar.

Quatro dias depois, os voluntários retornaram ao laboratório. Surpreendentemente, o impacto da droga sobre a memória ainda era aparente: voluntários que a tomaram continuavam apresentando dificuldades em lembrar as cenas emocionalmente intensas.

Marin espera que o estudo possa um dia ajudar pessoas que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático (TSPT). Ela suspeita que, no ambiente certo, a droga pode ajudar a diminuir a potência do evento traumático que desencadeou a situação. A ideia é que o paciente retome o assunto do evento com um psicoterapeuta, depois de ter tomado a droga.

Uma das conclusões mais intrigantes do estudo é o fato de que as lembranças não são tão sólidas e imutáveis como imaginamos. Cada vez que pensamos sobre elas em nossas mentes parece haver uma chance de “editar” o que aconteceu, conta Marin.

“Isso significa que realmente podemos mudá-las ou mesmo criar falsas memórias”, observa. “É uma questão que deve ser investigada. Ainda podemos mudar as memórias uma vez que já estão formadas? Parece que sim. E isso levanta questões éticas quando se trata de testemunhas de um crime, por exemplo”, cita.

Um comentário:

  1. Isso me lembra a pílula Soma, do Livro Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley.
    Chegaremos lá, chegaremos lá...

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails