sábado, 27 de agosto de 2011

Escritor tenta seguir Bíblia à risca por 1 ano


Que tem louco pra tudo no mundo, isso já é público e notório para todos. Já está nas livrarias brasileiras o livro "Um Ano Bíblico", de A. J. Jacobs, jornalista norteamericano que relata a sua experiência de tentar viver por um ano inteiro - literalmente - os mandamentos bíblicos, tirados em sua maioria (ao que parece) dos preceitos morais, alimentares e cerimoniais do Velho Testamento. 

O chamariz do livro é, obviamente, aquilo que a sociedade entende por "mandamentos bíblicos" de maneira rasa, sem uma interpretação e - sobretudo - contextualização que justifique o embasamento religioso para a empreitada. 

Serve, portanto, muito mais para o anedotário mundano sobre os princípios morais e cerimoniais do Velho Testamento, muito embora o escritor diga que tenha "evoluído" e se tornado uma "pessoa melhor" depois da experiência. 

Lançado em 2006 nos Estados Unidos, o livro finalmente tem sua versão em português para aqueles que se aventurarem a lê-lo. A matéria foi publicada na Folha de S. Paulo de hoje:


Foi difícil seguir a Bíblia, relata jornalista

ROBERTO KAZ
DE SÃO PAULO

No dia 7 de julho de 2005, o jornalista norte-americano A.J. Jacobs --um agnóstico-- resolveu seguir a Bíblia com o máximo rigor, empreitada que se estenderia por um ano.

De pronto, percebeu que "Não cobiçarás", o décimo dos mandamentos, era quase impraticável em uma cidade consumista como Nova York, onde mora.

Às 14h daquele dia, anotou que já havia cobiçado "o valor que o escritor Jonathan Safran Froer recebe para falar em público; o Palm Top Treo 700; a paz espiritual do cara da loja de Bíblias; a fama de George Clooney".

Perplexo, Jacobs lembrou que o versículo ainda mandava não cobiçar "a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo".

Concluiu que "o boi e o jumento não eram um problema para a Manhattan pós-agrária de Nova York".

Todo o resto era.

Essas e outras impressões estão relatadas em "Um Ano Bíblico", obra recém-traduzida pela Agir, em que Jacobs, 43, relata a experiência de ter vivido 365 dias de acordo com os preceitos do livro sagrado.

As restrições incluíam não fazer a barba, não blasfemar e não encostar em nenhuma mulher menstruada.

No tocante aos deveres, precisou apedrejar um adúltero (usou pedrinhas pequenas) e pastorear uma ovelha (alugou de um escritório que fornece animais para ensaios fotográficos).

Ao final, disse ter evoluído. "Aprendi que, se você finge ser uma pessoa melhor, acaba, de fato, se tornando uma pessoa melhor", contou à Folha, por telefone.

Jacobs já estava habituado a viver de forma obsessiva. Três anos antes, publicara o livro "The Know-it-All" (o sabe-tudo), em que lera, de cabo a rabo, os 32 volumes da "Enciclopédia Britânica".

Não se habituara, no entanto, a seguir tamanho número de regras (listou cerca de 700 obrigações). "O cuidado com a pureza feminina foi o mais complicado", contou. "A Bíblia diz que você não pode se sentar em um lugar ocupado recentemente por uma mulher menstruada."

Logo, durante uma semana por mês, ele se recusava a dividir o assento com sua mulher, Julie. "Ela ficou tão irritada que passou a se sentar em todas as cadeiras de casa, para se vingar. Eu era obrigado a ficar no chão", lembra.

Para evitar a cobiça, pediu a Julie que recortasse os anúncios dos jornais. "Mas se você tira o anúncio, não sobra nada. Nova York foi feita para cobiçar", concluiu.

Editor da "Esquire", prestigiosa revista mensal americana, Jacobs também enfrentou problemas no trabalho. Habituado a escrever sobre celebridades, viu-se obrigado a entrevistar Rosario Dawson, atriz estonteante que atuou no filme "Sin City".

O texto, publicado em abril de 2006, começava assim: "Senhor, perdoe-me pela noite com Rosario Dawson. Perdoe-me pela conversa sobre camisinhas estouradas. Perdoe-me por cometer adultério no coração".

Por telefone, ele resumiu: "Foi horrível, muito tentador, e ela tinha uma boca muito suja".

Passada a publicação do livro nos Estados Unidos, Jacobs voltou a fazer a barba ("para que minha mulher não pedisse o divórcio"), mas diz ter mantido certos hábitos tirados da Bíblia. Procura não mentir, respeita o dia do descanso e tenta ser grato às boas coisas que lhe acontecem no dia a dia.

"Um Ano Bíblico" foi vertido para 15 línguas. Indagado se ansiava por mais traduções, o autor respondeu: "Sim, mas não podia querer tanto, para evitar a cobiça".

Enfatizou ter doado 10% do lucro obtido com a primeira edição a uma instituição de caridade.

Das seguintes, só 7%. "Dez era demais", concluiu.

UM ANO BÍBLICO
AUTOR A.J. Jacobs
TRADUÇÃO Edmundo Pedreira Barreiros
EDITORA Agir
QUANTO R$ 49,90 (400 págs.)

2 comentários:

  1. Oi, Luana!

    Acho que ele se converteu ao doce esporte de ganhar dinheiro com livros esquisitos...

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar O Contorno da Sombra!
A sua opinião é bem-vinda. Comentários anônimos serão aprovados desde que não apelem para palavras chulas ou calúnias contra quem quer que seja.
Se você ainda não fez isso, sugerimos que você se cadastre no IntenseDebate (http://intensedebate.com/), que é a melhor plataforma para opinar em blogs, fóruns e sites.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails